sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

TEU CORPO FELINA QUE ME ALUCINA

















TEU CORPO FELINA QUE ME ALUCINA !

Não lave os teus seios pois tende o calor das minhas mãos

Não espere pelos meus apelos só quero beija los quero o gosto
Do teu leite com mais puro dos prazeres desejo apenas o leite
Porem deixe que Eu os sugue pois tem o sabor do teu corpo

Não laves o teu corpo pois nele tens o meu rastro suores e espasmos
Eu quero a sagrada profanação do teu olhar a me atiçar com muito prazer
Não lavei o sexo quero sentir o cheiro do teu que e só meu nem o teu lençol
Olho no espelho reflicto meu desejo de amar-te de te possuir mais uma vez

Para continuarmos onde sempre estivemos cúmplices desta paixão tesão
E que seguiremos sempre no paraíso deste amor felina mulher fêmea Amor
Sendo assim perfumarei minha alma com a essência do teu olhar a exalar
E para sempre pela eternidade de te Amar ate a morte de sorte um dia chegara...

NOITE DE PRAZER DELÍRIOS QUE VEM DE NOS DOIS !













NOITE DE PRAZER DELÍRIOS QUE VEM DE NOS DOIS !

Sigo teu extintos sacio-me dos teus desejos Amor
Gostas sei e bom foi demais adorei sentimos gostamos
Não precisas me pedir irei a ti estou fitado nesse desejo
Eu quero você meu amor de todas as formas delírios
Prazeres da carne queremos devemos e o Amor
Que invade nossos corpos suados de prazer
Sugo teu ser acaricio chupo você teus dedos e Amor
Assim nessa fantasia desfrutamos desse imenso prazer
EU e VOCÊ meu Amor carícias ao vento cheiro de Amor ...

quarta-feira, 23 de novembro de 2011





























Quero fazer uma confissão esta noite
porque a noite e a rua foram jantar juntas.
Quero dizer que amo uma mulher
cujo corpo não me dá
o seu calor esta noite,
cuja ausência é um ronsel laranja.
Quero dançar com minha sombra
para que o seu rumor chegue até ela
e ela saiba que eu lhe dou a noite,
toda senhora.
Quero escrever coisas que não se esvaeçam
com o sol,
que a chuva as faça flores
que cheirem a ela.
Quero que as minhas mãos voem,
voem em silêncio
onde ela guarda os seus sonhos…
sonhos que me pertencem
porque eu lhe pertenço.
Quero que ela fique, fique sempre,
quero ser a sua voz
quero ser o seu sorriso verde,
quero ser a sua chuva no cabelo,
quero amá-la mais do que ninguém
ama ninguém.
Quero dizer-lhe, aqui e agora, que a amo
com a minha voz baixa,
com o meu ar de outono lento,
com o meu sabor de beijos possíveis.
Quero que os pássaros sejam
os meus mensageiros de saudade.
Quero que o mundo comece quando ela vir.
Quero sonhar acordado com o seu tacto entre as
minhas mãos
a percorrer ela em silêncio o meu peito
e acordar com ela junto de mim,
calada e doce.
Quero só eu dizer-lhe sentimentos
que aceleram o coração,
o seu coração apaixonado,
eu gosto da sua timidez.
Quero nadar na sua boca sem horizontes.
Quero os versos todos do planeta
a falarem dela,
versos curtos de violetas,
versos firmes de cravos,
versos perfumados de rosas.
Quero suster os seus pés no ar
e trazer ao seu peito gaivotas fiéis

Fábrica de amor















O quanto, menina, anseio
Beijar-te toda, teu seio,
Cabelos, pele e boca,
Levar-te ao delírio extremo,
Calar-te enquanto gemo,
Enquanto te faço louca...

Quero adentrar verdejantes
Matas, vales excitantes,
E me perder em desejos...
Quero atar-te junto a mim,
Fazermos amor sem fim,
Me consumir com teus beijos...

Enquanto estivermos longe
Me comporto como um monge,
Apenas ao teu dispor.
És meu sonho desejado,
Meu paraíso encantado,
Minha fábrica de amor!

Lua de Mel

Para nós o tempo a paixão aprimora,
Acelera, inebria, dia-a-dia melhora,
Em intensos momentos de desejo ardente,
Onde os corpos se fundem no ato amoroso
Tradução de ternura, fascínio e gozo,
Que alucinam, inflamam, completam a gente.

Nossas noites transbordam em juras e encantos,
Sutilezas, anseios e carinhos tantos,
Na alcova de prazeres, verdadeiro céu,
Que os dias prosseguem no mesmo compasso,
Delirando de amor, busco teu abraço,
No eterno fascínio de uma lua-de-mel.

Minha Deusa


Quando, exaltado, me enrosco em teu corpo
Provocando o frenesi de teus desejos,
É como se adentrasse o portal do paraíso,
E de uma deusa roubasse doces beijos...
.
És minha Vênus, deusa de meus prazeres,
Eu, teu escravo, cativo estou desta paixão
Que me entorpece os sentidos, me alucina,
E a ti me enlaça, na mais perfeita união.
.
De puro néctar, com sabor de ambrosia,
Sugo teus lábios e a pele, de aroma divinal...
A ti me entrego dia e noite, noite e dia,
Desfalecendo num clímax sensacional...
.
Vem, deusa minha, divindade desejada,
Satisfazer minha fatal necessidade,
Que eu em troca te amarei perdidamente,
No céu, na terra, para toda eternidade...

Querer

Quero massagear o teu corpo,
Como se te prestasse um tributo de paixão.
E com minhas mãos, como que num ritual,
Percorrer-te todos os caminhos
E dele extrair a chama da combustão.
E cheirá-la por inteiro,
No ardor de farejar o âmago de tua alma fêmea.
E beijá-la voluptuosamente e com meus lábios
Sorver o suor ensandecido de teus poros
Quero, então, corpos unidos,
Dançar ao som de teus gemidos e sussurros
A dança terna e alucinante do amor.
Ter-te amado, a fantasia exata se cumprindo
sem distância.
Ter-te amado convertendo em mel
o que era ânsia.
Ter-te amado a boca, o tato, o cheiro:
intumescente encontro de reentrâncias.
Ter-te amado
fez-me sentir:
no corpo teu, o meu desejo
 é ancorada errância.

Intervalo amoroso


O que fazer entre um orgasmo e outro,
quando se abre um intervalo
sem teu corpo?

Onde estou, quando não estou
no teu gozo incluído?
Sou todo exílio?

Que imperfeita forma de ser é essa
quando de ti sou apartado?

Que neutra forma toco
quando não toco teus seios, coxas
e não recolho o sopro da vida de tua boca?

O que fazer entre um poema e outro
olhando a cama, a folha fria?

Harmonia Velha

O teu beijo resume 
Todas as sensações dos meus sentidos 
A cor, o gosto, o tato, a música, o perfume 
Dos teus lábios acesos e estendidos 
Fazem a escala ardente com que acordas o fauno encantador 
Que, na lira sensual de cinco cordas,
Tange a canção do amor! 

E o tato mais vibrante, 
O sabor mais sutil, a cor mais louca,
O perfume mais doido, o som mais provocante 
Moram na flor triunfal da tua boca! 
Flor que se olha, e ouve, e toca, e prova, e aspira; 
Flor de alma, que é também 
Um acorde em minha lira, 
Que é meu mal e é meu bem... 

Se uma emoção estranha
o gosto de uma fruta, a luz de um poente 
- chega a mim, não sei de onde, e bruscamente ganha 
qualquer sentido meu, é a ti somente 
que ouço, ou aspiro, ou provo, ou toco, ou vejo... 
E acabo de pensar
Que qualquer emoção vem de teu beijo
Que anda disperso no ar...

Fome de Amor


Faminto estou de teu prazer, menina,
Desejar-te toda, buscar-te, é minha sina,
Meu objetivo, sonho e projeto.
Em pétalas lascivas
Quero desfolhar-te,
Sugar o teu néctar,
Hei de saciar-te
E realizarmos este amor secreto.
Deixa-me sugar-te, minha flor,
E em troca, me devora, por favor...
Tem pena de mim, do que sinto,
Vem pra saciar-me,
Que de tua carne
Eu estou faminto...

Mulher














Não quero uma mulher
Que seja gorda ou magra
Ou alta ou baixa
Ou isto e aquilo.

Não quero uma mulher
Mas sim um porto, uma esquina
Onde virar a vida e olhá-la
De dentro para fora.

Não espero uma mulher
Mas um barco que me navegue
Uma tempestade que me aflija
Uma sensualidade que me altere
Uma serenidade que me nine.

Não sonho uma mulher
Mas um grito de prazer
Saindo da boca pendurada
No rosto emoldurado
No corpo que se apoie
Nas pernas que me abracem.

Não sonho nem espero
Nem quero uma mulher
Mas exijo aos meus devaneios
Que encontrem a única
Que quero sonho e espero
Não uma, mas ela.

E sei onde se esconde
E conheço-lhe as senhas
Que a definem. O sexo
Ardente, a volúpia estridente
A carência do espasmo
O Amor com o dedo no gatilho.

Só quero essa mulher
Com todos seus desertos
Onde descansar a minha pele
Exausta e a minha boca sedenta
E a minha vontade faminta
E a minha urgência aflita
E a minha lágrima austera
E a minha ternura eloquente.

Sim, essa mulher que me excite
Os vinte e nove sentidos
A única a saber
O que dizer
Como fazer
Quando parar
Onde Esperar.

Essa a mulher que espero
E não espero
Que quero e não quero
Essa mulherportoesquina
Que desejo e não desejo
Que outro a tenha.

Que seja alta ou baixa
Isto ou aquilo
Mas que seja ela
Aquela que seja minha
E eu seja dela
Que seja eu e ela
Euela eu lá nela
Que sejamos ela.

E eu então terei encontrado
A mulher que não procuro
O barco, a esquina, Você.
Sim, você, que espreita
Do outro lado da esquina, no cais,
A chegada do marinheiro
Como quem apenas me espera.

Então nos amarraremos sem vergonha
À luz dos holofotes dos teus olhos,
E procriaremos gritos e gemidos
Que iluminarão todas as esquinas.

Será o momento de dizer
Achei/achamos amei/amamos
E por primeira vez vocalizar o
Somos, pluralizando-nos
Na emoção do encontro.

Essa a mulher
que não procuro
nem espero.
Você, viu? Você!

Tentaçã












Não me tente, ó menina,
Com essa beleza divina
Que me mostra, quase nua...
Não me tente, que enlouqueço,
E dos pudores esqueço,
Ante o que me insinua...

Há tempos que a desejo,
Sonho doido com seu beijo,
Sua boca de sedução...
E agora a vejo assim,
Projetar-se sobre mim,
Com tanta provocação...

Se me tenta, desejosa,
Qual uma gata manhosa,
Com tanta desfaçatez,
Vou deitá-la sobre a relva
E qual as feras na selva,
Possuí-la de uma vez!

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Un Amor Real (mix)

Musica Romantica com tradução

Natal em teus Braços









Meu amor mais que adorado,
Meu bem mais que especial,
Quero passar em teus braços,
Confirmando nossos laços,
Um adorável Natal.
És o meu sonho dourado,
Minha mais pura amizade...
Inspiras bons sentimentos,
Espalhas contentamentos,
Amor e fraternidade.
Que o nosso céu de ventura
Seja além de duradouro...
Que a  Estela Natalícia
Nos envolva em luz divina
Por todo o ano vindouro!

domingo, 20 de novembro de 2011

O amor nos faz sofrer

















O amor nos faz sofrer amar sem ser amado é muito triste
Sempre e eternamenteUma lágrima que não lhe diz mais nada
Não conta histórias, mais
Revive lembranças saudosas
De um tempo,
Que tão logo agora, ficou na minha memória
Basta uma lágrima para um grande amor
Um abraço pra dizer adeus
Saudades para ser sempre seu
O que se uniu, hoje se separou
O coração sangrou enquanto a alma chorou
Sem magoas ou remorsos, apenas momentos a dois
alguém por você....

Olho o céu





Olho o céu, olho as estrelas
Que beleza de luar
Mas é tudo uma tristeza
Se eu não posso nem contar
O relógio bate as horas
Diz baixinho ela não vem
Ai de mim de tão altivo
Fiquei só sem o meu bem...

JÁ NÃO PRECISO













Já não preciso mais procurar.
Você é o verso que preciso,
a rima que palpita em mim,
seus olhos fonte de inspiração.
Dentro do poeta, desejo do homem ,
é onde o homem aprende em ti a ser poeta..
A poesia forma improvável da razão,
arquitetura da ilusão , matemática da vida,
ciência exata da emoção.
Meu encontro, meus versos,
vontade de ficar sem querer ir.
Agora meu caminho é aqui,
eu pra você e você pra mim.

ROSA AZUL POEMA

Poesia de amizade

Poema Aos Amigos

Busquei nos raios prateados da lua























Busquei nos raios prateados da lua
Busquei nos raios incandescentes do sol
Talvez no magma infernal da terra
Ou no frio glacial dos picos mais altos

Olhei em baixo da cama
Procurei dentro da minha pasta
Até que uma voz me disse "desencana"
Pois o que você procura não se acha

Queria encontrar um meio
De explicar o que vejo em você
Queria explicar um motivo
Para dizer o que sinto por ti

Queria fazer uma poesia
Que descrevesse tua magia
Queria que fosse uma história
Com todo resplendor e glória

Mas eu não achei nada à altura
Não achei como desejo
E descobri que não existe
Algo que simbolize o teu e o meu beijo

Não achei nada que reluzisse
Como as gargalhadas que soltamos
Não achei nada que me acariciasse
Como tua respiração junto a minha

Será que se nos campos mais ermos
Nos imensos deserto isolados
Ou no vazio descomunal do espaço
Eu veria grandeza que descrevesse nosso amor ?

Quando eu achei que já conhecia
Quando imaginei que já havia vivido
Você apareceu me surpreendendo
Você apareceu me impressionando

Teu toque suave me faz sentir amado
Tua boca doce deixa meu coração acelerado
Teu corpo suave me faz suar
Tua áurea de alegria me faz te amar

Sei o que sou
E isso faço questão de escrever
Sou alguém feliz
Com um ótimo motivo para viver

Até mais minha rara realidade
Saiba que te amo de verdade
Espero que o dia passe rápido
Pois não me contenho de saudade...

sábado, 19 de novembro de 2011

Vida é o dia de hoje








vida é o dia de hoje,
A vida é ai que mal soa,

A vida é sombra que foge,
A vida é nuvem que voa;
A vida é sonho tão leve
Que se desfaz como a neve
E como o fumo se esvai:
A vida dura num momento,
Mais leve que o pensamento,
A vida leva-a o vento,
A vida é folha que cai!
vida é flor na corrente,
A vida é sopro suave,
A vida é estrela cadente,
Voa mais leve que a ave:

Nuvem que o vento nos ares,
Onda que o vento nos mares,
Uma após outra lançou,
A vida – pena caída
Da asa da ave ferida
De vale em vale impelida
A vida o vento levou!



A vida é flor na corrente,
A vida é sopro suave,
A vida é estrela cadente,
Voa mais leve que a ave:

Nuvem que o vento nos ares,
Onda que o vento nos mares,
Uma após outra lançou,
A vida – pena caída
Da asa da ave ferida
De vale em vale impelida
A vida o vento levou!

Florival Domingo

Tristeza de quem ama










Pedaços de água no olhar...

De sonhos desfeitos em nada

Cabelos em desalinho

Onde brilham em torvelinho,

Pérolas de pranto ao luar....


Olhos tristes de quem sofreu

Na vida, tormentos mil

Silêncios a quem doeu,

Um amor que já morreu,

Ainda por começar...


Embalada nos braços fortes

De uma recordação,

Vai tropeçando em pedaços

Vazios de um coração...


Sonha, menina triste,

Limpa as lágrimas, sorri

Também eu vivi morrendo

E morri, vivendo em ti....




Será que na vida não vive

Quem na vida já viveu

Ou será que terá vida

Quem nesta vida sofreu

Eu que morri e que vivo

Dentro do mundo que passou

Nos versos que não morrerão

Após rasgar a vida

Irão lembrar quem chorou

E esta vida não viveu...

Florival domingo

musica da novela viver a vida.wmv

♫ AMAR A TEU JEITO ♫

Ta difícil vencer essa saudade















Ta difícil vencer essa saudade
Não pensei que seria assim tão forte
A me dar nojo dessa liberdade
Sem saber troquei a sorte pela morte

Sem você aqui, fica só a vontade
Perdida a procurar todo seu norte
De tarde a ilusão mata a verdade
Que vinha no sorriso do seu porte

Quando chega a noite, eu mendigo
Sonhos pra te ver, mas só me restam
Migalhas de uma grande relação.

E de novo vou dormir com solidão
Quando acordo do lado é só saudade
A falar de uma tal separação..

Emanuel domingo

0 que eu sonho noite e dia













0 que eu sonho noite e dia, 
O que me dá poesia
E me torna a vida bela,
O que num brando roçar
Faz meu peito se agitar, 
E o teu seio, donzela!

Oh! quem pintara o cetim
Desses limões de marfim, 
Os leves cerúleos veios
Na brancura deslumbrante 
E o tremido de teus seios?

Quando os vejo, de paixão 
Sinto pruridos na mão 
De os apalpar e conter... 
Sorriste do meu desejo?
Loucura! bastava um beijo
Para neles se morrer!



Emanuel  Domingo

Os teus olhos lindos
















Nos teus olhos lindos e profundos
Consigo ver todos os mundos.
A paz, a luz, a amizade e a cor,
Consigo visualizar todo o amor
Que possuis no teu quente coração.
Consigo imaginar a dádiva da tua mão
Espalhando para todos a felicidade
Da tua bela e generosa amizade.
Vejo que não existem pesares
No mar que vais velejando
Dia a dia com bons ares
E sempre procurando
A chegada a um qualquer cais
Com paz, amor e amizade
Onde nunca será demais
Distribuíres a felicidade.
Nesse olhar lindo e profundo
Com inabalável esperança
De criar um novo mundo
Pleno de real temperança
Assim vais tu pelo mundo
Pela terra, pelo ar, pelo mar
Ensinando amor profundo
Com esse teu lindo olhar.

Balançando de uma saudade












Balançando com as ondas da saudade
Naveguei em mar de vários amores
Naufraguei com as lembranças das dores
Afundei de amor e de maldade
Foi profundo meu tempo de mocidade
Atraquei nas profundezas sem fim
Submerso no amor vivo ao confim
Afoguei meu peito no mar de antes
Sou o mar que navega os amantes
Sou um rio das magoas que há em mim...
Fui levado à profundeza do mar
Carregando um fantasma do passado
De um amor que foi de mim arrancado
O destinou deu a ela outro lugar
Nem o tempo que tudo pode apagar
Acabou com essa flor de jasmim
Minha mente permanece no jardim
Adubando essa meu amor de antes
Sou o mar que navega os amantes
Sou um rio das magoas que a em mim...